Arquivos da categoria: Itajaí

Pesquisa da Epagri pode redefinir ponto de colheita da pitaia em Santa Catarina

F�r�u�t�i�c�u�l�t�u�r�a

Um estudo desenvolvido pelos pesquisadores Andrey Martinez Rebelo e Alessandro Borini Lone, da Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), identificou que a colheita da pitaia vem sendo feita quando a fruta ainda não está completamente madura. 

A descoberta foi feita por meio de uma técnica inovadora desenvolvida pelos dois pesquisadores, mais simples e rápida, que rendeu à pesquisa uma premiação da Associação Brasileira de Química. O trabalho será apresentado na próxima edição do Congresso Brasileiro de Química, em João Pessoa (PB).

Andrey, que é responsável pela Unidade de Ensaios Químicos e Cromatográficos da EEI, explica que a pitaia é um fruto não climatério, ou seja, não amadurece depois de colhido, ao contrário da banana, por exemplo. Isso significa que se a colheita for feita quando a pitaia não estiver madura, ela não vai contar com inúmeros compostos químicos que darão à fruta um sabor mais adocicado, atrativo ao paladar do brasileiro.

“A próxima etapa da pesquisa, que será realizada em 2020, é determinar quando, de fato, o fruto está pronto para ser colhido, a partir da identificação da presença desses compostos. Hoje a orientação técnica é fazer a colheita quando o fruto muda de cor, mas isso pode mudar”, explica Alessandro.

Pela segunda vez consecutiva a Associação Brasileira de Química premia trabalho da Epagri desenvolvido na Estação Experimental em Itajaí. Os melhores são selecionados para apresentação oral no Congresso Brasileiro de Química.

Na edição de 2018 o trabalho selecionado visava estabelecer método para análise de feromônios liberados pelo percevejo-do-grão, de autoria também de Andrey, juntamente com o pesquisador Marcelo Mendes de Haro.

Este ano, o trabalho de Andrey e de Alessandro se destacou como um dos 43 melhores entre os 1277 inscritos. “Os trabalhos desenvolvidos pela Epagri têm se destacado principalmente pelo seu caráter aplicado e que sempre se baseiam na busca por soluções demandadas pelas cadeias produtivas assistidas pela Empresa”, ressalta o pesquisador Andrey. Foto:Aires Mariga / Epagri

Fontes: Andrey Martinez Rebelo, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) pelo fone (47) 33986334 e Alessandro Borini Lone, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) pelo fone (47) 33986340

 

Mais informações: www.epagri.sc.gov.br

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4305
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Mudanças nas políticas públicas para o campo são informadas aos agricultores de Itajaí

itajaiplano

A Epagri de Itajaí reuniu produtores rurais e demais atores sociais envolvidos na cadeia produtiva da agricultura familiar do município para repassar as alterações e inovações ocorridas no plano safra 2019-2020 e a volta dos programas especiais da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de Santa Catarina (SAR). O evento foi no dia 27 de agosto, no Centro de Treinamento da Empresa.

Os técnicos da SAR, Osvaldo Vieira dos Santos e Ricardo Poletto, explicaram sobre os diversos programas implementados e forneceram uma visão geral sobre a posição que Santa Catarina ocupa perante os demais estados brasileiros. Segundo eles, essa posição de destaque se deve à atuação de órgãos como a Epagri, a Cidasc e os programas especiais, muitos dos quais o produtor é beneficiado sem o pagamento de qualquer encargo sobre o capital emprestado.

O gerente do Banco do Brasil da agência Cordeiros em Itajaí, Paulo Kroetz, juntamente com a engenheira- agrônoma Julia Lina, apresentaram o Plano Safra 2019-2020 explicando sobre as alterações de juros e sobre a novidade da possibilidade de, nessa safra, poder enquadrar a reforma e construção de residências rurais para produtores.

Além dos agricultores, participaram da reunião agentes financeiros do Sicredi, da empresa Tab Energia (que trabalha com energia solar de Joinville), representantes da Amfri, secretário municipal de agricultura de Itajaí César Reinhardt, técnicos dos municípios de Porto Belo, Navegantes e Balneário Camboriú e representantes da Cooperar – cooperativa de agricultores familiares de Itajaí.

Mais informações:  gri@epagri.sc.gov.br

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4305
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Cerveja de arroz faz sucesso com cultivar da Epagri

epagricerveja1  

Cultivar de arroz lançado pela Epagri é usado na produção de cerveja artesanal em Itajaí, litoral do Estado. Aprovada em inúmeras degustações técnicas, a cerveja de arroz ganha um sabor leve e suave, já que o malte é substituído 100% pelo cereal desenvolvido pela Epagri.

epagricerveja2

Santa Catarina é o 2º maior produtor nacional de arroz. São mais de 146 mil hectares plantados que rendem mais de 1 milhão de toneladas ao ano. Com a produção já consolidada, a Epagri quer agora estimular usos alternativos para o cereal. Reconhecida nacionalmente pelas pesquisas e lançamentos de cultivares, a Estação Experimental da Epagri de Itajaí mostra que este alimento pode ser muito mais versátil do que se imagina.

“Além do consumo convencional, o arroz pode ser processado e utilizado na produção de macarrão, pão, óleo e bebidas de alta qualidade. O objetivo é criar novas opções de cultivo aos agricultores familiares em função do mercado da alta gastronomia bastante promissor”, explica Alexander de Andrade, pesquisador da Epagri e Coordenador do Projeto Arroz.

epagricerveja3

A Epagri atuou com o suporte técnico para encontrar o melhor arroz para essa finalidade, analisando as principais caraterísticas do grão, como genética, estrutura, cor, sabor e aroma. A variedade SCS122 Miura foi a escolhida.

Luciano Teixeira é um dos sócios da Cervejaria Faroeste. Ele conta que a ideia é aproveitar a proximidade com o litoral e com os turistas e ganhar espaço entre os apreciadores de cervejas especiais. “Nosso produto é feito com ingredientes frescos, orgânicos, uma bebida não pasteurizada e concebida de forma artesanal, de curta validade. Isso tudo agrega valor, mas também exige mais conhecimento técnico e cuidados na linha de produção”, explica Luciano.

Vitor Antoniazzi é o mestre cervejeiro e gerente de produção. Segundo ele, hoje as pessoas buscam mais qualidade do que quantidade. “Nossa cerveja não tem glúten nem conservantes, por exemplo. Buscamos um público preocupado com a reeducação alimentar e hábitos de consumo mais saudáveis”, conta Vitor.

Confira reportagem completa em vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=e2GkRTUEBik

 

Mais informações: eei@epagri.sc.gov.br 

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4305 
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Epagri de Itajaí promove tarde de campo sobre controle biológico em diversas culturas

itajaicapacitação

Produtores de diferentes regiões catarinenses se reuniram em Itajaí, no dia 19 de março, para conhecer os trabalhos conduzidos no município em 2018 que oferecem alternativas de diminuição do uso de agroquímicos nas culturas de aipim, cana-de-açúcar e hortaliças diversas.

A tarde de campo foi realizada na propriedade de Osmar Marqui, comunidade de São Roque, com 50 pessoas. O evento foi promovido pela equipe local e por pesquisadores das Estações Experimentais de Itajaí e de Urussanga.

Antônio Henrique dos Santos, extensionista de Itajaí, apresentou várias alternativas testadas que obtiveram bons resultados como: o policultivo de aipim com melancia, feijão e milho verde; o controle de pulgões em brássicas através de áreas-refúgio deixadas com capim, onde as predadoras de pulgões – as joaninhas, estavam presentes; a aplicação de baculovirus para controle do mandarová do aipim; a utilização de trichogramas contra a broca da cana-de-açúcar, e a aplicação de trichoderma para o controle do fusarium do aipim.

A pesquisadora Erica Frazon Pereira apresentou vários trabalhos de monitoramento da mosca do broto do aipim, que são realizados há três anos em Itajaí e outros municípios do Estado, confirmando os bons resultados do policultivo. O pesquisador Alexandre Visconti apresentou a opção de uso de caldas, biofertilizantes e produtos biológicos para controle de doenças.

O pesquisador Ildebrando Nora mostrou as diferentes fases do mandarová do aipim, assim como os principais inimigos naturais importantes para equilibrar o ambiente. Ele ressaltou, ainda, os efeitos da aplicação de inseticidas indiscriminadamente sobre esses bons insetos. A agrônoma Dione Benevenutti de Joinville colaborou com a presença de 16 agricultores do referido município.

“Esses trabalhos terão continuidade nos anos seguintes e mostram-se promissores”, afirma o extensionista Antônio Henrique. Ao final, os participantes degustaram pratos confeccionados com alimentos produzidos em Itajaí, elaborados pela extensionista Geisebel Patrício.

 

Mais informações: eei@epagri.sc.gov.br

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4309
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Em Itajaí vice-governadora fala sobre protagonismo do jovem rural em aula inaugural de curso da Epagri

itajaijovenssite1  

O papel transformador do jovem no meio rural, a profissionalização, o acesso a tecnologias foram alguns dos assuntos abordados pela vice-governadora, Daniela Reinehr, em palestra, durante a aula inaugural do curso de Liderança, Gestão e Empreendedorismo com jovens rurais das regiões de Itajaí, Blumenau e Joinville.O evento aconteceu na terça-feira, 19, no Centro de Treinamento da Epagri, em Itajaí.

Daniela Reinehr destacou que Santa Catarina é um Estado que produz muito. “As pessoas são dedicadas e trabalham incansavelmente para produzir os alimentos. É muito importante a participação do jovem e de sua família para avançar no processo de melhoria das atividades. Os jovens estão investindo nos seus projetos de vida. É muito bom vê-los procurando conhecimento para aprimorar os trabalhos em suas propriedades. A Epagri desenvolve um trabalho de excelência”, disse.

Ela destacou a importância do grupo buscar meios para se qualificar e acessar as tecnologias. “É central cultivar nossa tradição e aliar isso à tecnologia, bem como agregar valor ao que é produzido para melhorar a renda no meio rural e fazer com que o jovem queira ficar ali”, disse.

itajaijovenssite2

Dentre as potencialidades a serem exploradas no campo, Daniela destacou o turismo rural. “Os valores da roça são habituais para quem está lá, mas para quem vive no urbano é sensacional. Daí o potencial do turismo domiciliar rural”. Ela enfatizou a importância da população urbana conhecer o meio rural e as experiências que o campo pode oferecer, revertendo em renda para o produtor. “A agricultura é o que manteve este país no último ano.  Vocês precisam ter consciência do valor dos agricultores”, disse.

“Como podemos fazer a diferença para desenvolver os potenciais? Esse é o nosso desafio. Criem, inventem, busquem conhecimento”, disse a vice-governadora aos 32 jovens participantes das regiões de Itajaí, Blumenau e Joinville. A aula teve como tema a sucessão familiar no campo e abriu o primeiro de oito módulos a serem realizados até agosto.

Em cada encontro, que durarão três dias, os jovens serão capacitados nas principais cadeias produtivas da região. Entre os diversos temas abordados, estão olericultura, plantas bioativas, agroindústrias, bananicultura, turismo rural, essências florestais e palmeiras, floricultura, piscicultura e rizicultura.

A aula inaugural deu início ao primeiro módulo desse ciclo de capacitação. Até o dia 21 de março, os 32 jovens participantes estarão imersos na discussão dos seguintes temas: empreendedorismo, legalização de propriedade (APPs, mata ciliar e reserva legal), maquete da propriedade, plano de propriedade e identidade da agricultura familiar. Ao final dos três dias será feita uma avaliação do módulo pelo grupo.

“Considero este curso como um dos momentos mais importantes que a Epagri tem vivido nestes últimos anos, pois realmente ele faz a diferença e traz muitos resultados. Oferece ao jovem a opção de fazer sua escolha de vida e mudar sua realidade”, salientou o gerente Estadual de Extensão Rural e Pesqueira da Epagri, Darlan Rodrigo Marchesi.

A extensionista da Epagri, Rose Gerber, responsável pela Ação Jovem, também palestrou no dia.

A Epagri promove há 10 anos cursos de Liderança, Gestão e Empreendedorismo para jovens rurais do Estado. Neste período foram capacitados mais de 2 mil catarinenses, em 72 turmas. Ao final de cada curso, os alunos elaboram projetos de melhorias em suas propriedades rurais e a Epagri seleciona os melhores, que recebem financiamento do Estado para serem implementados. Nesta década, foram 902 projetos financiados, no valor de R$ 7,8 milhões.

Vanuza Kertischka, de Doutor Pedrinho, contou que seu esposo Rodrigo fez o curso, e os conhecimentos adquiridos mudaram vida da família. “O acesso à informação foi o mais importante. A gente acha que agricultura é baixar a cabeça e trabalhar, mas não é assim. Com o curso conseguimos aplicar técnicas, manejos e a parte administrativa. Hoje produzimos tomate orgânico certificado e outros produtos. O curso foi um divisor de águas na nossa vida. Só temos a agradecer”.

 

itajaijovenssite3

A vice-governadora, Daniela Reinehr também visitou a Estação Experimental da Epagri de Itajaí (EEI).

 

Estação Experimental da Epagri de Itajaí

O EEI é responsável por 30% de todas as tecnologias geradas pela companhia. A unidade já desenvolveu mais de 30 cultivares de arroz, oito de hortaliças e uma seleção de banana, todas disponibilizadas para as cadeias produtivas e com expressivo impacto na agricultura catarinense. Frutas cítricas, plantas bioativas e palmáceas também são destaques entre as linhas de pesquisa da unidade.Fontes:Epagri/Secom – Fotos: Elisabety Borghelotti / GVG

Mais informações: cetrei@epagri.sc.gov.br 

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4309
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Epagri inaugurou, em Itajaí, novas instalações da Unidade de Beneficiamento de Sementes de Arroz

Unidade Beneficiamento de Arroz EEI_1 - Foto Divulgação Epagri

A Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) inaugurou na sexta-feira, 30, sua nova Unidade de Beneficiamento de Sementes de Arroz (UBS).

O evento marcou o início oficial das atividades dessa Unidade, cujo grande diferencial é o sistema de automação em todo o processo de beneficiamento, que permite mais agilidade, segurança e rastreabilidade.

A EEI contava com uma unidade de beneficiamento de sementes de arroz desde a década de 1980. Mas, considerando os anos de uso, o prédio estava deteriorado e os equipamentos eram superados. O prédio foi reformado para receber a nova UBS, com renovação da cobertura, piso, paredes e portas. Foram instalados novos equipamentos, projetados para atender a real necessidade dos pesquisadores da EEI.

São 588,71 metros quadrados de área construída, com espaços para recepção, pré-limpeza, secagem e beneficiamento de sementes. Há ambiente próprio para armazenamento, sala de engenho de prova, fornalha de secagem, além de setores de ensacamento, pesagem e apoio.

A unidade tem a capacidade de receber até quatro cultivares simultaneamente. Entre os equipamentos novos, conta com máquinas de pré-limpeza e de limpeza, mesa densimétrica e elevadores sem poço. Também foi instalado um secador intermitente com sistema automático de secagem a gás, visando melhor controle da temperatura durante o processo.

Foram investidos R$ 917.631,14 na reforma do prédio e aquisição dos equipamentos. Os recursos foram aportados por meio de projeto aprovado pela Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep).

“Na UBS serão beneficiadas e classificadas as sementes de arroz das variedades desenvolvidas pela Epagri para as diferentes condições de clima e solo de Santa Catarina”, descreve Alexander De Andrade, Coordenador da Equipe de Pesquisa do Projeto Arroz da EEI. Segundo ele, esse processo vai garantir ainda mais qualidade às sementes de origem genética e básica produzidas pelos pesquisadores. Alexander explica que quem ganha são os agricultores, que terão ainda mais certeza da qualidade das sementes que comprarão das empresas certificadas pela Epagri para multiplicação e revenda do material.

A nova UBS recebeu o nome de Urbano Franzner, um agricultor com espírito empreendedor que em 1960 fundou a Urbano Agroindustrial, que atua no beneficiamento de arroz, feijão e macarrão de arroz. É uma das três maiores beneficiadoras de arroz do Brasil, com matriz em Jaraguá do Sul e filiais no Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, São Paulo e Paraná.

arroz

Arroz irrigado

Santa Catarina é o segundo maior produtor de arroz irrigado no Brasil. A qualidade das sementes disponibilizadas para os agricultores é um dos motivos desse resultado.

Ao longo de sua história a Epagri já desenvolveu 31 cultivares de arroz, 23 deles lançados especificamente para as condições de Santa Catarina. Destes, 12 seguem com recomendação de cultivo, já que os mais antigos acabam se tornando obsoletos com o desenvolvimento de novas pesquisas.

Graças ao trabalho da Epagri, o Estado tornou-se um exportador de sementes de arroz de qualidade. “Mais de 50% das sementes produzidas aqui são exportadas para o Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Goiás, Maranhã e Vale do São Francisco, além de outras regiões” enumera Alexander. No Estado catarinense, 80% das lavouras de arroz utilizam cultivares desenvolvidos pela Epagri.

Em Santa Catarina a cultura do arroz irrigado se destaca pela sua importância social e econômica. Mais de 8 mil famílias de pequenos e médios agricultores, distribuídos em 65 municípios, têm a atividade como sua principal fonte de renda. O Estado detém um dos mais elevados índices de produtividade do Brasil com 7,85 toneladas por hectare. Fonte:Epagri

Mais informações: eei@epagri.sc.gov.br 

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4309
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Epagri desenvolve batata-doce que protege contra doenças

epagribatata

Um estudo científico comprovou que a batata-doce SCS370 Luiza, desenvolvida pela Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), tem mais vitamina C, macrominerais e fenólicos totais que suas similares. Todos esses componentes desempenham importante função antioxidante no organismo humano, retardando o envelhecimento e prevenindo doenças como o câncer.

A pesquisa foi desenvolvida pelo doutorando Cláudio Eduardo Cartabiano Leite, do Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Alimentos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Ele participou de um projeto de pesquisa liderado pela professora Dra. Ornella Maria Porcu, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), que avaliou novos cultivares de batata-doce desenvolvidos pela Epagri.

Não é de hoje que a batata-doce se tornou estrela no cardápio daqueles que buscam uma alimentação mais saudável. O tubérculo possui elevado teor nutricional, sendo rico em fibras, vitaminas e minerais. É fonte de carboidratos de baixo índice glicêmico, liberando o açúcar lentamente na circulação, o que aumenta a sensação de saciedade e auxilia no processo de emagrecimento.

A Luiza, lançada pela Epagri em 2016, é um destaque nesse universo, a começar pela sua cor. A casca e a polpa intensamente roxas chamam a atenção. A maior quantidade de compostos bioativos, da classe dos flavonoides, principalmente as antocianinas, são responsáveis pela coloração peculiar, explica Eloísa Rovaris Pinheiro, nutricionista e extensionista social da Epagri em Rio do Sul.

O estudo mostra que a batata-doce Luiza da Epagri possui cerca de três vezes mais compostos fenólicos, flavonoides e antocianinas quando comparada com o cultivar comercial Beauregard, de polpa laranja, considerado uma batata-doce fortificada e referência no mercado pela qualidade da raiz.

“Esses compostos auxiliam na proteção das células, tendo grande potencial antioxidante, retardando o envelhecimento e preservando a memória”, destaca a nutricionista. Ela lembra que eles também colaboram na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis como diabetes, câncer, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias crônicas.

O cultivar Luiza se destacou ainda pelo maior teor de vitamina C. “Esse componente também tem função antioxidante, fortalece o sistema imunológico do organismo e aumenta a absorção de ferro no intestino quando ingerido junto a alimentos que contenham ferro”, descreve Eloísa.

Além da batata-doce Luiza, o estudo avaliou os cultivares SCS371 Katiy e SCS372 Marina, também desenvolvidos pela EEI. Os dois têm casca roxa e polpa branca e amarela, respectivamente. A pesquisa comprovou que essas batatas também possuem ótimo conteúdo nutricional e a polpa colorida indica a presença de compostos bioativos.

Gerson Wamser, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Ituporanga, conta que as batatas-doces de casca roxa e polpa creme ou branca ainda são as mais procuradas para comercialização. “Os cultivares de polpa colorida ainda não são muito cultivados, mas há uma tendência de aumento na procura”, explica ele, lembrando que é o crescimento na demanda por parte dos consumidores que vai fazer com que os produtores ampliem seu cultivo.

“Em função dos resultados encontrados, pode-se afirmar que os novos cultivares de batata-doce apresentam valor econômico e nutricional agregado, tornando-se uma alternativa de cultivo para os pequenos agricultores, aumentando a disponibilidade no comércio varejista, bem como a utilização como matéria-prima industrial”, recomenda o estudo do doutorando Cláudio Leite.

Mais informações: Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) -  (47) 33986300 

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4309
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Epagri promove dia de campo sobre hortaliças orgânicas nesta quinta-feira, em Itajaí

T�o�m�a�t�e� �O�r�g�a�n�i�c�o� �P�r�o�t�e�g�i�d�o

Nessa quinta-feira, 21, a Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) recebe agricultores, técnicos, estudantes e outros profissionais para o Dia de Campo de Tecnologias para Produção Orgânica e Sustentável de Hortaliças.

É a chance de os produtores rurais da região conhecerem as novidades desenvolvidas ou adaptadas pelos pesquisadores da Epagri que permitem a produção de alimentos limpos. Mais de 200 pessoas são esperadas no evento.

Nas sete estações distribuídas pela Estação Experimental os visitantes conhecerão as tecnologias da Epagri para cultivo orgânico, em abrigo e a céu aberto, de alface, rúcula, tomate, repolho e pimentão. Uma das estações vai apresentar o sistema de cultivo hidropônico, que apesar de não ser orgânico, é considerado sustentável pelos pesquisadores. As visitas às estações acontecem durante todo o dia.

 

Troca de sementes e homenagens

Às 11h30min da manhã a EEI homenageia cinco agricultores da região que cedem espaços em suas propriedades para realização dos experimentos da unidade, uma colaboração valiosa para o desenvolvimento das pesquisas.

Às 13h tem início o encontro de troca de sementes e mudas crioulas levadas pelos agricultores que vão participar do Dia de Campo. Esses materiais propagativos guardam importante valor científico, uma vez que muitas destas plantas cultivadas nos quintais das casas resistem à doenças e condições climáticas extremas e ainda não foram estudadas pelos pesquisadores. As semente e mudas crioulas serão avaliadas pelos pesquisadores da EEI e as de interesse científico serão armazenas no banco de germoplasma da unidade para estudos.

Os agricultores também poderão levar para casa, gratuitamente, sementes e mudas de aipim, batata-doce, maracujá, milho e feijão melhoradas pela Epagri.

“A hortaliça representa uma importante cadeia produtiva na região do Vale do Itajaí. O uso de tecnologias para produção orgânica ou sustentável agrega valor aos alimentos, além de preservar a saúde de quem produz e de quem consome”, explica Euclides Schallenberger, pesquisador da EEI.

Os interessados em participar do Dia de Campo não precisam se inscrever antes, bastar ir até a EEI no dia 21, entre às 8h e às 16h30min. Não há custos para participar do evento.Fonte: Gisele Dias/Assessoria de imprensa Epagri/Foto Nilson Teixeira – Epagri

Informações: Euclides Schallenberger, pesquisador da EEI, pelos fones (47) 99918-8663 / 3398-6341

 

Mais informações: Estação Experimental Epagri – Itajaí – (47) 3398-6341

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4307
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Dia de Campo em Hortaliças será realizado pela Epagri em Itajaí

itajaidisdecampo2

No dia 21/06 acontecerá o Dia de Campo da Olericultura, na Estação Experimental de Itajaí (Rodovia Antônio Heil, Km 6 – nº 6.800), com início às 8h30min.

A presença deverá ser confirmada até o dia 15 de junho, através dos telefones: 3378-8411 ou 3387-7248 (recados), ou pelo e-mail: earth@epagri.sc.gov.br.

Os temas que deverão ser abordados neste evento são: Produção de mudas de hortaliças; Uso de pó de rocha; Tomateiro SCS375 Kaiçara enxertado e não enxertado; Cultivo de pimentão em SPDH em abrigos com cultivares comerciais e Cultivares da EEI; Cultivo de repolho em SPDH em campo; Cultivo de rúcula em cultivares comerciais e cultivar da EEI em avaliação; Cultivo de alface e rúcula em sistema hidropônico; Sistemas de compostagem para produção de fertilizantes orgânicos; Avaliação de compostos na nutrição de hortaliças; Abrigos de cultivo e irrigação automatizada de hortaliças; Elaboração e uso de biofertilizantes.

Neste dia, também acontecerá o II Encontro de Troca de Sementes. A ideia é que as famílias possam levar e trocar sementes, mudas, tubérculos, bulbos, rizomas, etc. Algumas variedades serão disponibilizadas, mas é fundamental que as famílias levem as suas para fazerem a troca.Fonte:http://www.testonoticias.com.br

 

Mais informações: earth@epagri.sc.gov.br

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4307
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Epagri lança hoje seu primeiro arroz especial para risoto

 epagriarroz1

A Epagri lança nesta quinta-feira, 22, em Itajaí, o seu primeiro cultivar de arroz especial para preparo de risotos: o SCS123 Pérola. O lançamento ocorre na Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), a partir das 9h30min. Além de sessão solene, estão programadas visita ao campo de cultivo e uma atividade técnica, marcada para o período da tarde.

O arroz SCS123 Pérola vem sendo desenvolvido pela Epagri desde 2007. Ele é especial para confecção de risotos por suas características peculiares, como o formato e a textura, que o tornam mais capaz de absorver sabores adicionados no preparo culinário.

O novo cultivar da Epagri é também mais produtivo que os outros especiais para risotos. Ester Wickert, pesquisadora da EEI e uma das responsáveis pelo trabalho, conta que arrozes para risoto costumam produzir 4 toneladas por hectare. “Normalmente os grãos especiais têm menor produtividade”, explica Ester. Já o Pérola apresentou produtividade média de 10 toneladas por hectare nos experimentos realizados em diversas regiões produtoras de Santa Catarina.

Tamanha produtividade se deve, entre outros fatores, à arquitetura mais moderna da planta, que é mais baixa, tem maturação uniforme e bom perfilhamento. As plantas de arquitetura convencional, mais altas e com panículas mais abertas, estão mais sujeitas à queda e ao ataque de pássaros, por exemplo. Além de ser mais produtiva, a arquitetura do cultivar SCS123 Pérola permite a automatização da colheita, relata a pesquisadora.

Outra vantagem para o produtor é o grande valor agregado de arrozes especiais para risotos. Enquanto o consumidor compra 1kg de arroz branco comum pelo valor médio de R$ 2,50, a mesma quantidade do especial pode chegar a R$ 12,00. O produtor já estabelecido de arroz comum que queira plantar o SCS123 Pérola não vai precisar fazer nenhuma adaptação no seu modo de produção, já que o manejo das duas plantas é idêntico. Ele só vai precisar encontrar mercado para escoar seu produto diferenciado.

Ainda neste ano a Epagri realiza chamada pública para definir a empresa que vai multiplicar a semente do arroz SCS123 Pérola, para que o agricultor possa plantar o novo cultivar. A expectativa da pesquisadora Ester é de que na safra de 2019 ele esteja sendo cultivado, para chegar à mesa dos catarinenses a partir de 2020.

epagriarroz2

 

30 cultivares

Ao longo de sua história a Epagri já desenvolveu 30 cultivares de arroz, 23 deles lançados especificamente para as condições de Santa Catarina. Destes, 12 seguem com recomendação de cultivo, já que os mais antigos acabam se tornando obsoletos com o desenvolvimento de novas pesquisas.

Em Santa Catarina, 80% das lavouras de arroz utilizam cultivares desenvolvidos pela Epagri. As sementes do grão desenvolvidas pela Empresa também são cultivadas em outros Estados – como Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, São Paulo, Alagoas, Goiás e Tocantins – e até em outros países, entre eles Argentina, Bolívia e Paraguai.

A Epagri faz pesquisas para desenvolvimento de cultivares especiais de arroz desde 1995. Além do Pérola, já foram lançados nessa linha o SCS119 Rubi (vermelho) e o SCS120 Ônix (preto). O próximo desafio, em que os pesquisadores da EEI já trabalham, é lançar um arroz especial aromatizado, muito utilizado na culinária tailandesa.

Santa Catarina é o segundo maior produtor de arroz no País. O Sul do Estado é a principal região produtora (61,9%), seguido pelo Médio/Baixo Vale do Itajaí, Norte Catarinense, Alto Vale do Itajaí e Litoral Centro. Atualmente, mais de 30 mil pessoas dependem economicamente desta atividade no Estado.

 

Mais informações:  Estação Experimental de Itajaí -  (47) 33986300

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4307
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br