O cenário dos girassóis

joinvillegirasol3

Os joinvilenses e turistas tiveram a experiência de assistir à efemeridade da vida enquanto observam um campo de mil metros quadrados de girassóis.

As flores, semeadas em maio, abriram em agosto e cumprem, diariamente, sua viagem em torno de si mesmas enquanto buscam pela luz do sol. Em duas semanas, no entanto, eles começaram a morrer e a imensidão amarela do jardim deixará de existir para dar lugar a um novo cenário.

joinvillegirasol

Essa é uma iniciativa inédita na cidade, produzida pelo pesquisador e empresário Dario Bergemann, na Agrícola da Ilha, zona Norte da cidade. A empresa, que abre seus 10 hectares para visitação do público, reuniu uma necessidade técnica ao desejo antigo dos clientes de caminharem em um campo das populares flores amarelas que ultrapassam 1,50 metro de altura. 

Os girassóis foram plantados, ironicamente, em um espaço chamado de Jardim do Sol. É um dos mais famosos da empresa transformada em ponto turístico de Joinville, onde há uma capela usada em casamentos e no qual, até pouco tempo, havia um campo de Sunpatients. 

– Há quem diga que somos loucos de plantar girassóis, que tem um ciclo tão curto, mas ele foi escolhido, justamente, por isso. São 60 dias de crescimento, 15 dias de floração e acabou. Depois, vai virar matéria orgânica em outro jardim – conta Bergemann, revelando que foram 7,2 mil sementes.

As Sunpatients, conhecidas popularmente por “beijinho”, haviam sido semeadas há pouco mais de um ano e, agora, era hora de realizar a rotação de culturas. Esta é uma técnica agroecológica na qual as espécies cultivadas são alternadas a cada ano, em uma mesma área. Isso ocorre porque se houver o cultivo de uma única variedade na mesma área ela explora do solo apenas os nutrientes essenciais à espécie e pode desequilibrar as reservas minerais ao longo do tempo.

– Havia nitrogênio em excesso no solo, e o girassol é exigente no consumo do nitrogênio, mas o mesmo não é interessante para a Sunpatient – explica ele. 

joinvillegirasol4

Passeio entre flores e lagos

Além da visitação do campo de girassóis, também é possível adquirir flores, sejam elas cortadas para arranjos ou plantadas em vasos. Mas o pesquisador avisa que o tempo de vida não mudará. 

Apesar da rapidez com que abrem e murcham, o girassol é o tipo de planta que sobrevive em praticamente todos os ambientes. Originário da América do Norte, ele foi “domesticado” há séculos e pode ser plantado em qualquer jardim, em qualquer clima, desde que tenha acesso fácil ao sol.

A Agrícola da Ilha foi aberta nos anos 1990, mas foi na última década que se tornou uma espécie de parque de Joinville. Além de campos de cultivo para hemerocallis – gênero botânico para o qual a empresa criou o Festival Brasileiro em 2002 – e de outros jardins, o local também apresenta lagos ornamentais, que é outra de suas especialidades. Em um deles, é possível alimentar carpas-japonesas.

Além de visitar os espaços e adquirir plantas e produtos para jardinagem, os visitantes poderão aproveitar os gramados para piqueniques, com opção de café colonial no Hemerocallis Café. Fonte: claudia.morriesen@somosnsc.com.br / A Noticia / Foto: Salmo Duarte / A Notícia

 

joinvillegirasol2 

No dia 10/11 (sábado) você poderá apreciar nossos jardins floridos ao som do Coral Luterano de Rio Negro (PR), que se apresentará a partir das 15h.Com 42 coralistas, o coral está comemorando 75 anos de música e celebração cristã.

 

Mais informações: https://www.facebook.com/hemerocallis.joinville/

Secretaria Executiva Estadual do SC Rural – (48) 3664 4307
Endereço eletrônico: imprensa@scrural.sc.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>